Humanização do pré-natal e ativismo online: Experiências de mulheres em busca do parto natural

The humanization of prenatal care and online activism: Experiences of women in quest of natural childbirth

Alana Aragão Ávila
Universidade Federal de Santa Catarina

ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-1457-2718

DOI: https:/doi.org/10.48006/2358-0097-6208

Publicado em 10 de fevereiro de 2021
First published: 10 Feb 2021

Edição | Issue

v6, n1-2, 2020

Palavras-chave

Ativismo online; Humanização; Pré-Natal; Parto Natural; Gravidez.

Resumo

É pensando na atualização do campo relativo à busca pela humanização do parto no Brasil que o artigo a seguir propõe dialogar com este movimento a partir dos relatos de pré-natal de três mulheres vinculadas a um grupo online de incentivo ao parto natural. Somados a uma retomada da história da luta pela humanização no Brasil, estes relatos dão índices para compreender o atual cenário da atenção à gestação nos setores público e privado e operam como formas de organizar a experiência de gestar e parir. Por fim, o referido grupo é encarado como um foco de ativismo online através do fomento a autonomia feminina e da difusão de conhecimentos amparado nas práticas da medicina baseada em evidências.


Keywords

Online activism; Humanization; Prenatal; Natural Childbirth; Pregnancy.

Abstract

This article addresses the debate on childbirth humanization through the narratives of the prenatal experiences of three women who are part of an online group that supports natural childbirth. Starting from a brief history of the struggles for the humanization of childbirth in Brazil, we suggest that those connections provide elements for understanding the current scenario of attention to pregnancy in the public and private sectors, in addition to operating as ways of organizing the experience of gestating and giving birth. Finally, this group is seen as a focus of online activism through the promotion of female autonomy and the dissemination of knowledge supported by the practices of evidence-based medicine.

Referências / References

BRASIL. 2000. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 569, de 1º de junho de 2000. Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Brasília, 1º de junho.

CARNEIRO, Rosamaria Giatti. 2011. Cenas de parto e políticas do corpo: uma etnografia de práticas femininas de parto humanizado. Tese de doutorado em Ciências Sociais. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

DINIZ, Carmen Simone Grilo. 2005. “Humanização da assistência ao parto no Brasil:os muitos sentidos de um movimento”. Ciência e saúde coletiva, 10(3): 627-637.

HIRSCH, Olivia Nogueira. 2015. “O parto “natural” e “humanizado” na visão de mulheres de camadas médias e populares no Rio de Janeiro”. Civitas, 15(2): 229-249.

SCOTT, Joan. 1999. “Experiência”. In: Alcione Leite da Silva, Mara Coelho de Souza Lago e Tânia Regina Oliveira Ramos (org.). Falas de Gênero. Santa Catarina: Editora Mulheres, p. 21-55.

TORNQUIST, Carmem Susana. 2002. “Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto”. Estudos Feministas, 10: 483-497.

TORNQUIST, Carmem Susana.2003. “Paradoxos da humanização em uma maternidade no Brasil”. Cadernos Saúde Pública, 19(2): 419-427.

WHO. 2018. Recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization.