SOBRE A PUBLICAÇÃO



Proposta editorial

Objetivos

Novos Debates: Fórum de Antropologia é uma publicação semestral da Associação Brasileira de Antropologia voltada a pesquisadores de todos os níveis de formação, desde a graduação até pesquisadores sênior. Ela busca ser um periódico de divulgação dinâmica de pesquisas em andamento e recentemente concluídas no Brasil, mas também com uma abertura importante a trabalhos desenvolvidos em outros países. Ao mesmo tempo, Novos Debates apresenta-se como um espaço crítico de discussão de questões teóricas, metodológicas e políticas contemporâneas caras à disciplina e aos grupos com os quais trabalhamos. Finalmente, Novos Debates toma para si o desafio de repensar a prática editorial acadêmica, buscando novos formatos no contexto das publicações eletrônicas.

Formato

Novos Debates publica textos curtos com o intuito de conferir maior dinâmica à circulação de pesquisas em andamento e debates em voga. Essa é uma característica importante da revista, que une aspectos comuns a periódicos de divulgação científica com o espírito crítico e rigoroso próprio às publicações acadêmicas tradicionais. Ao mesmo tempo, buscando uma inovação atualmente necessária no plano editorial acadêmico, fomos uma das primeiras publicações brasileiras a publicar ensaios fotográficos e filmes etnográficos através da seção Composições (apresentada abaixo). Essa aposta buscou responder à demanda crescente de espaços formais de difusão de uma grande produção audiovisual antropológica. Cabe mencionar que o formato adotado por Novos Debates é inspirado em outros periódicos de diversas partes do mundo, que também investem em textos curtos, novas mídias ou seções de debate de modo mais participativo, tais como: Economic and Political WeeklySeminar (ambas da Índia), Global Dialogue (newsletter da International Sociological Association) e American Anthropologist (ambas ligadas à American Anthropological Association).

Periodicidade

Semestral

Política de Acesso Aberto

Somos uma revista de acesso aberto. Não cobramos pela publicação de artigos ou pelo acesso aos fascículos da revista.
Todo o conteúdo da revista, exceto indicação contrária em materiais específicos, está licenciado sobre Atribuição 3.0 Creative Commons Brasil (CC BY 3.0 BR).

Você tem o direito de:
– Compartilhar — copiar e redistribuir o material em qualquer suporte ou formato
– Adaptar — remixar, transformar, e criar a partir do material para qualquer fim, mesmo que comercial.
– O licenciante não pode revogar estes direitos desde que você respeite os termos da licença.

De acordo com os termos seguintes:
– Atribuição — Você deve dar o crédito apropriado, prover um link para a licença e indicar se mudanças foram feitas. Você deve fazê-lo em qualquer circunstância razoável, mas de nenhuma maneira que sugira que o licenciante apoia você ou o seu uso.
– Sem restrições adicionais — Você não pode aplicar termos jurídicos ou medidas de caráter tecnológico que restrinjam legalmente outros de fazerem algo que a licença permita.

Política de Direitos Autorais

A submissão de um artigo ou trabalho audiovisual implica a cessão automática e total de seus direitos de publicação a Novos Debates, tanto na forma impressa quanto digital, em nosso website ou redes sociais, assim como em outros espaços. Somos uma publicação de acesso aberto e sem fins lucrativos. A responsabilidade quanto ao conteúdo, exatidão das informações ou conformidade com a privacidade de qualquer trabalho submetido é de total responsabilidade de seu autor, devendo a revista avaliar, através de um processo de revisão por pares, a consistência científica, teórica e metodológica de cada submissão. Ao submeter um artigo ou produção audiovisual, espera-se que o autor não submeta o mesmo trabalho a outra revista ao mesmo tempo. Com relação a ensaios visuais e filmes, o autor assume inteira responsabilidade com relação ao uso de imagens de pessoas e lugares retratados, estando implícito que ele ou ela tem a autorização para usar tais imagens.

Indexação

Latindex | Sumários.org | Road

Política de seção

Novos Debates propõe-se à experimentação de novos formatos de publicação. As seções da revista visam, portanto, a contribuir com a dinamização de discussões candentes, apagadas ou ainda por vir. Por esta razão, a revista guarda em si a vocação à eventual criação de novas seções adaptadas a estes propósitos. As seções abaixo constituem o núcleo original de organização da publicação.

Novas Pesquisas

Esta seção recebe em fluxo contínuo textos que abordem pesquisas em curso ou finalizadas recentemente, desde a graduação até o doutorado. Ela se destina à apresentação sintética dos objetivos, questões, metodologia e conclusões da pesquisa em questão. Espera-se que os textos articulem dados etnográficos e teoria. Não aceitamos revisões bibliográficas ou a apresentação de projetos de pesquisas a serem ainda realizadas. Esta seção cumpre o papel de divulgação ampla e dinâmica de pesquisas sobre temas contemporâneos.

Fórum

Apresenta-se como um espaço de debate de questões teóricas, metodológicas e políticas centrais para a reflexão e prática antropológica contemporânea cujo enfoque tem um problema ou tema a ser debatido por todos/as colaboradores convidados/as. Ela abre-se tanto para problemáticas propriamente epistemológicas ou teóricas que atravessam grande parte das pesquisas antropológicas de hoje, quanto para discussões sobre o cenário político e social, ou ainda aos desafios relacionados à prática antropológica no século XXI. Esta seção pode ser organizada por editores/as convidados/as ou a partir da submissão espontânea de propostas de Fórum em torno de um “problema”. Assim, ela difere-se da seção Novas Pesquisas, por ser um espaço de debate de questões específicas, mesmo que a partir das pesquisas individuais dos pesquisadores convidados. Ela também não consiste em um dossiê temático, por buscar ser antes um fórum de debate. Nesse sentido, e a fim de explorar os recursos eletrônicos disponíveis, propomos que os/as leitores/as enviem também contribuições para o Fórum, após sua publicação. Entendemos que essa possibilidade é uma ferramenta poderosa para o fomento de discussões entre jovens pesquisadores/as e também para mostrar o “estado da arte” de certos temas e problemas antropológicos, com contribuições contemporâneas de pesquisadores que estão atualmente dedicados a pesquisar tais temáticas.

Composições

Trata-se de uma seção destinada à divulgação de trabalhos de antropologia visual. Recebe vídeos, ensaios fotográficos e, eventualmente, outros formatos a serem propostos e que sejam de potencial interesse à pesquisa antropológica. Por um lado,  cumpre um papel importante de publicação de trabalhos audiovisuais, cada vez mais abundantes, de qualidade e potencial heurístico para a reflexão antropológica; por outro lado, representa um avanço editorial importante de incorporação de novos formatos e linguagens em tempos de consolidação de publicações eletrônicas.

Ensaios

Esta seção consiste em um espaço central de Novos Debates em seu projeto de promoção de debates fundamentais ao campo antropológico. Nela, são publicados textos de caráter mais ensaístico e que aportem críticas e atualizações de questões caras ao debate teórico, epistemológico e de organização política da disciplina. Evidentemente, observam-se aqui os parâmetros da escrita acadêmica e da ética em pesquisa, apesar de apresentar textos de caráter mais autoral.

Pedagógicas

Seção dedicada a artigos sobre ensino de antropologia e relatos de experiência apoiados por reflexões etnográficas e/ou teóricas a respeito da transmissão da disciplina dentro ou fora da sala de aula. As contribuições podem abordar práticas formais de ensino universitário da disciplina, assim como experiências de transmissão da disciplina em escolas, projetos de extensão e contextos diversos. Aceitamos artigos e ensaios, mas também dossiês com material produzido por estudantes que resultem de experiências pedagógicas inovadoras. Não se trata da publicação de artigos resultantes de disciplinas apenas, mas da publicação de material, devidamente apresentado e contextualizado, que contribua à reflexão sobre formas possíveis de ensino da antropologia.

Ofício

Recebemos artigos e relatos sobre a prática profissional da antropologia para além de instituições científicas e de ensino superior. Com a expansão e crescente profissionalização da disciplina, é cada vez mais significativa a presença de antropólogas e antropólogos em instituições públicas e privadas diversas, tais como órgãos públicos, ONGs e consultorias, além de sua atuação como profissionais autônomos em diferentes tipos de empreendimentos profissionais. Nesse contexto, convidamos colegas a refletir de modo qualificado sobre o papel da antropologia na construção de instituições, políticas públicas, debates públicos e mesmo outros campos de atuação centrais no mundo contemporâneo. O que tem a antropologia a oferecer a esses diferentes universos não acadêmicos e o que podem estes oferecer à pesquisa e ao ensino de antropologia na universidade? Aceitamos também contribuições sobre o ofício da antropologia na universidade, desde que dedicadas a considerações mais institucionais a respeito do campo da antropologia.

Variações

Desde o seu período embrionário, ao menos desde o século 19, a antropologia recorria a diferentes formas de registro e textualidade: desenhos, fotografias, notas de campo, diários de campo, ficção, poesia, exposições, etc. Apesar do texto científico ter se consolidado, a exemplo de outras ciências, como a forma de transmissão por excelência da pesquisa antropológica, essa diversidade de formatos sempre foi constitutivo do fazer antropológico pela sua potência criativa e sensibilidade etnográfica. Assim sendo, convidamos à submissão de contribuições em formatos menos usuais, indo desde expressões artísticas até experimentações tecnológicas, com o objetivo de produzir formas descentradas e críticas de pensamento etnográfico e teórico. Estamos abertos às formas mais diversas e inesperadas de contribuição.

Resenhas

Seguindo a composição de grande parte das revistas acadêmicas em ciências humanas, Novos Debates conta com uma seção de resenhas aberta à apresentação de livros, filmes e exposições de potencial interesse antropológico, por entendemos tratar-se de um formato de texto importante à circulação e crítica acerca da produção antropológica. Mas, ao mesmo tempo em que empregamos esta seção tão tradicional aos periódicos de nossa área, realizamos uma abertura menos comum à discussão de outros tipo de obras, tais como filmes e exposições.

Equipe editorial

Editores

Vinicius Kauê Ferreira – Universidade Federal do Rio de Janeiro
Mariane da Silva Pisani – Universidade Federal do Tocantins
Estevão Rafael Fernandes – Universidade Federal de Rondônia

Editores Associados

Cintia Liara Engel – Universidade de Brasília
Juliana Cintia Lima e Silva – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Matheus Gonçalves França – Universidade Federal de Goiás
Maycon Lopes Villani – Universidade Federal da Bahia
Mílton Ribeiro – Universidade do Estado do Pará / Universidade Federal do Pará
Vinícius Venancio – Universidade de Brasília
Willian Luiz da Conceição – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Conselho Editorial

Camilo Braz – Universidade Federal de Goiás
Carmen Silva Rial – Universidade Federal de Santa Catarina
Eliane Cantarino O’Dwyer – Universidade Federal Fluminense
Deise Montardo – Universidade Federal do Amazonas
Jean Segata – Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Marcelo Mello – Universidade Federal da Bahia
Manuela Cordeiro – Universidade Federal de Roraima
Martina Ahlert – Universidade Federal do Maranhão