Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • O texto deve ser redigido em uma das línguas aceitas: português, espanhol, inglês ou francês.
  • A contribuição deve se situar no campo da antropologia - ou áreas afins desde que apresente potencial interesse à comunidade antropológica.
  • O arquivo segue as normas para publicação: Fonte: Times New Roman 12; Espaçamento: 1,5; Margens: 2,5 (acima e abaixo) por 3,0 (laterais).
  • Incentivamos o uso de imagens e outros recursos (vídeos, desenhos, sons, etc), desde que respeitem direitos autorais e de imagem e sejam creditadas. Sugerimos que cada manuscrito contenha ao menos uma imagem.
  • As notas devem vir em rodapé, jamais o final do texto.
  • O arquivo deve ser submetido em formato “.docx” e NÃO deve conter qualquer identificação dx autorx, nem mesmo nome, filiação institucional ou e-mail. Os dados pessoais de identificação são inseridos na etapa de cadastro dx autox. No caso de autocitação, substituir seu nome por “Autor”. Por exemplo, se você se chama João Silva, usar (Autor 2012: 120) no texto e não inserir a referência ao fim do texto.
  • A formatação das referências bibliográficas deverá seguir as normas descritas nas Informação para Autores. Atenção: não usamos a norma ABNT. Sublinhamos que a perfeita adequação da formatação das referências será especialmente observada para a avaliação dos trabalhos recebidos. Trabalhos que não se adequem às normas serão devolvidos para nova submissão.

Diretrizes para Autores

As normas de formatação são as seguintes: 
  • Extensão de até 5.500 palavras (sem contar Referências) para as seções Novas Pesquisas, Fórum, Ensaios, Pedagógicas, Ofício, Variações e Entrevistas;
  • Extensão de até 2.500 palavras (sem contar Referências) para as Resenhas;
  • Ser redigido em fonte Times New Roman, com espaçamento 1,5, tamanho 12, em formato Doc ou Docx.
  • Contar com título, resumo e cinco palavras-chave em português e em inglês.

 

Os textos devem da seção Novas Pesquisas devem conter problemática, referencial teórico, metodologia, considerações sobre o campo e bibliografia. Acima de tudo, devem apresentar boa articulação entre dados etnográficos (ou de arquivos, no caso de trabalhos em história da antropologia) e análise teórica. Textos focados em revisão da literatura ou em etapa de projeto não serão enviados à avaliação. 

 

Normas da seção Composições

Para a seção Composições aceitaremos a submissão de produções audiovisuais. Aceitaremos ensaios fotográficos e vídeos etnográficos. As composições devem ser submetidas no seguinte formato:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

  • Os ensaios fotográficos devem ser enviados em formato Apresentação (PPT. ou PPTX.).
  • Devem conter um título e o nome dx autorx, além de uma apresentação da pesquisa de, no máximo, 500 palavras (contando com os espaços).
  • Será aceito um ensaio por autor com até 10 fotografias, em resolução a partir de 300 dpi. Legendas são opcionais.
  • Solicitamos também o envio da “Declaração de Direito Autoral”, conforme modelo disponível em nosso site, devidamente preenchida e assinada.

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS

  • Serão aceitos vídeos sem limite de tempo de exibição.
  • Para submissão, será necessário o envio de um arquivo de texto (doc ou docx) informando: (a) O link do vídeo/filme já publicado na internet (youtube ou vimeo); (b) os nomes dxs diretorxs, ano de produção, formato e duração; e (c) um comentário sobre o vídeo/filme com no máximo 500 palavras, contando com os espaços.

Para informações sobre a “Declaração de Direitos Autorais”, verificar nossa página Sobre a Publicação / Direitos Autorais.

 

Entrevistas

Por fim, acolhemos entrevistas com pesquisadores, agentes públicos ou integrantes de movimentos sociais, que podem ser submetidas à apreciação editorial da publicação. Neste número interessa a Novos Debates entrevistas com antropólogos/as que tenham experiência de trabalho em órgãos públicos, ONGs etc. e que atuem ou tenham atuado em processos de reconhecimento de direitos territoriais. Por enquanto, aceitaremos entrevistas unicamente no formato de texto.

 
As submissões devem atender rigorosamente às normas descritas abaixo
  1. Aceitaremos textos em português, espanhol, inglês e francês.
  2. Novos Debates está aberta a contribuições de outras disciplinas além da antropologia, desde que os trabalhos apresentem potencial interesse à comunidade antropológica.
  3. As normas para publicação são as seguintes: Fonte: Times New Roman 12; Espaçamento: 1,5; Margens: 2,5 (acima e abaixo) por 3,0 (laterais).
  4. O uso de imagens e outros recursos (vídeos, desenhos, sons, etc) são bem-vindos, desde que respeitem direitos autorais e de imagem e sejam creditadas. Sugerimos que cada manuscrito contenha ao menos uma imagem.
  5. A formatação das referências bibliográficas deverá seguir as normas descritas abaixo, que correspondem às mesmas da revista Vibrant. Atenção: não usamos a norma ABNT. Sublinhamos que a perfeita adequação da formatação das referências será especialmente observada para a avaliação dos trabalhos recebidos.
  6. As notas devem vir em rodapé, jamais o final do texto.
  7. O arquivo deve ser submetido em formato “.doc” ou “.docx” (para ensaios audiovisuais, ver acima) e NÃO deve conter qualquer identificação dx autorx, nem mesmo nome, filiação institucional ou e-mail. Os dados pessoais de identificação compõem a ficha de submissão. No caso de autocitação, substituir seu nome por “Autor”. Por exemplo, se você se chama Márcio de Souza, usar (Autor 2012: 120) no texto e não inserir a referência ao fim do texto.
 
Normas para formatação de referências bibliográficas

As referências devem atender rigorosamente às normas abaixo. As referências devem ser apresentadas do modo mais completo possível, incluindo o DOI dos artigos, quando possível.

No texto, usar: (Lomnitz 1987:53)

Nas Referências Bibliográficas, ao final do documento, usar:

Livros
PEIRANO, Mariza. 2006. A Teoria Vivida: E Outros Ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Livros organizados
LIMA FILHO, Manuel; ABREU, Regina; ATHIAS, Renato. (Orgs.). 2016. Museus e Atores Sociais: Perspectivas Antropológicas. Recife: UFPE.

Capítulo de livro
VISVANATHAN, Shiv. 2008. “Hegemonía oficial y pluralismos contestatarios”. In: Gustavo Lins Ribeiro e Arturo Escobar. Antropologías del mundo. Popayán, Colombia: Diseño Grafico e Impresiones. p. 287-310.

Artigo
DAS, Veena. 1993. “Sociological Research in India: The State of Crisis”. Economic and Political Weekly 28(23): 1159-1161.

Tese
VIDAL, Lux. 1973. Put-Karôt (Xikrin), grupo indígena do Brasil Central. Tese de Doutorado em Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Novas Pesquisas

Esta seção recebe em fluxo contínuo textos que abordem pesquisas em curso ou finalizadas recentemente, desde a graduação até o doutorado. Ela se destina à apresentação sintética dos objetivos, questões, metodologia e conclusões da pesquisa em questão. Espera-se que os textos articulem dados etnográficos e teoria. Não aceitamos revisões bibliográficas ou a apresentação de projetos de pesquisas a serem ainda realizadas. Esta seção cumpre o papel de divulgação ampla e dinâmica de pesquisas sobre temas contemporâneos.

Fórum

Apresenta-se como um espaço de debate de questões teóricas, metodológicas e políticas centrais para a reflexão e prática antropológica contemporânea cujo enfoque tem um problema ou tema a ser debatido por todos/as colaboradores convidados/as. Ela abre-se tanto para problemáticas propriamente epistemológicas ou teóricas que atravessam grande parte das pesquisas antropológicas de hoje, quanto para discussões sobre o cenário político e social, ou ainda aos desafios relacionados à prática antropológica no século XXI. Esta seção pode ser organizada por editores/as convidados/as ou a partir da submissão espontânea de propostas de Fórum em torno de um “problema”. Assim, ela difere-se da seção Novas Pesquisas, por ser um espaço de debate de questões específicas, mesmo que a partir das pesquisas individuais dos pesquisadores convidados. Ela também não consiste em um dossiê temático, por buscar ser antes um fórum de debate. Nesse sentido, e a fim de explorar os recursos eletrônicos disponíveis, propomos que os/as leitores/as enviem também contribuições para o Fórum, após sua publicação. Entendemos que essa possibilidade é uma ferramenta poderosa para o fomento de discussões entre jovens pesquisadores/as e também para mostrar o “estado da arte” de certos temas e problemas antropológicos, com contribuições contemporâneas de pesquisadores que estão atualmente dedicados a pesquisar tais temáticas.

Pedagógicas

Seção dedicada a artigos sobre ensino de antropologia e relatos de experiência apoiados por reflexões etnográficas e/ou teóricas a respeito da transmissão da disciplina dentro ou fora da sala de aula. As contribuições podem abordar práticas formais de ensino universitário da disciplina, assim como experiências de transmissão da disciplina em escolas, projetos de extensão e contextos diversos. Aceitamos artigos e ensaios, mas também dossiês com material produzido por estudantes que resultem de experiências pedagógicas inovadoras. Não se trata da publicação de artigos resultantes de disciplinas apenas, mas da publicação de material, devidamente apresentado e contextualizado, que contribua à reflexão sobre formas possíveis de ensino da antropologia.

Ofício

Recebemos artigos e relatos sobre a prática profissional da antropologia para além de instituições científicas e de ensino superior. Com a expansão e crescente profissionalização da disciplina, é cada vez mais significativa a presença de antropólogas e antropólogos em instituições públicas e privadas diversas, tais como órgãos públicos, ONGs e consultorias, além de sua atuação como profissionais autônomos em diferentes tipos de empreendimentos profissionais. Nesse contexto, convidamos colegas a refletir de modo qualificado sobre o papel da antropologia na construção de instituições, políticas públicas, debates públicos e mesmo outros campos de atuação centrais no mundo contemporâneo. O que tem a antropologia a oferecer a esses diferentes universos não acadêmicos e o que podem estes oferecer à pesquisa e ao ensino de antropologia na universidade? Aceitamos também contribuições sobre o ofício da antropologia na universidade, desde que dedicadas a considerações mais institucionais a respeito do campo da antropologia.

Resenhas

Seguindo a composição de grande parte das revistas acadêmicas em ciências humanas, Novos Debates conta com uma seção de resenhas aberta à apresentação de livros, filmes e exposições de potencial interesse antropológico, por entendemos tratar-se de um formato de texto importante à circulação e crítica acerca da produção antropológica. Mas, ao mesmo tempo em que empregamos esta seção tão tradicional aos periódicos de nossa área, realizamos uma abertura menos comum à discussão de outros tipo de obras, tais como filmes e exposições.

Variações

Desde o seu período embrionário, ao menos desde o século 19, a antropologia recorria a diferentes formas de registro e textualidade: desenhos, fotografias, notas de campo, diários de campo, ficção, poesia, exposições, etc. Apesar do texto científico ter se consolidado, a exemplo de outras ciências, como a forma de transmissão por excelência da pesquisa antropológica, essa diversidade de formatos sempre foi constitutivo do fazer antropológico pela sua potência criativa e sensibilidade etnográfica. Assim sendo, convidamos à submissão de contribuições em formatos menos usuais, indo desde expressões artísticas até experimentações tecnológicas, com o objetivo de produzir formas descentradas e críticas de pensamento etnográfico e teórico. Estamos abertos às formas mais diversas e inesperadas de contribuição.

Ensaios

Esta seção consiste em um espaço central de Novos Debates em seu projeto de promoção de debates fundamentais ao campo antropológico. Nela, são publicados textos de caráter mais ensaístico e que aportem críticas e atualizações de questões caras ao debate teórico, epistemológico e de organização política da disciplina. Evidentemente, observam-se aqui os parâmetros da escrita acadêmica e da ética em pesquisa, apesar de apresentar textos de caráter mais autoral.

Composições

Trata-se de uma seção destinada à divulgação de trabalhos de antropologia visual. Recebe vídeos, ensaios fotográficos e, eventualmente, outros formatos a serem propostos e que sejam de potencial interesse à pesquisa antropológica. Por um lado,  cumpre um papel importante de publicação de trabalhos audiovisuais, cada vez mais abundantes, de qualidade e potencial heurístico para a reflexão antropológica; por outro lado, representa um avanço editorial importante de incorporação de novos formatos e linguagens em tempos de consolidação de publicações eletrônicas.

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.